Figueiró dos Vinhos – Em causa o poder de compra

Concelhia do PSD lamenta que o concelho seja o “mais baixo” no distrito


Pombal 97 fm / Sociedade – Tomando por base os recentes dados sobre o poder de compra, disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a Comissão Politica Concelhia de Figueiró dos Vinhos do PSD lamenta que este concelho seja o “mais baixo” do distrito de Leiria.
Os dados do INE, ontem disponibilizados,www.switz-watch.me são referentes ao poder de compra de cada concelho e relativos ao ano de 2017, em que o concelho figueiroense se encontra abaixo dos restantes do distrito. Algo que o PSD local aproveita para dizer que, “dos concelhos vizinhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra, Ansião, Sertã ou Pombal, somos o concelho da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria, bem como dos 16 que constituem o distrito de Leiria, com o pior poder de compra”.
Em comunicado, os social-democratas de Figueiró dos Vinhos constatam que “analisado o ‘IpC - Indicador per Capita’ do poder de compra (primeiro factor extraído da análise), nos diferentes municípios ou regiões, tendo por referência o valor nacional”, em 2013, com um executivo do PSD, “o indicador per capita do poder de compra do concelho estava em 70,34 , em 2015, com a Câmara PS, o poder de compra baixou para 67,24 e, em 2017, segundo os dados disponibilizados na quarta-feira, o poder de compra do concelho de Figueiró dos Vinhos voltou a baixar e está agora nos 65,48”.
Mais à frente, referem que “o PS trouxe empobrecimento ao concelho de Figueiró dos Vinhos que, infelizmente, tem vindo a perder poder de compra”, conforme se refere nos dados fornecidos pelo INE.
“Este é mais um indicador, apresentado por uma entidade independente, a juntar a outros como o último estudo da ‘Bloom Consulting’ que, analisando as categorias ‘Viver’, ‘Visitar’ e ‘Negócios’, refere que Figueiró dos Vinhos desceu 44 posições relativamente a 2014. Também o ‘Índice de Transparência Municipal’ no qual a Câmara Municipal tem nota negativa e cai 59 posições, tendo mesmo obtido a pior posição de sempre ou, ainda, a IGF ou o Conselho de Finanças Públicas que, ultimamente, se referiram a Figueiró dos Vinhos em termos nada abonatórios”, lê-se no comunicado.
Para a Concelhia do PSD “não seriam precisos estudos para chegar a esta conclusão. Os figueiroenses sentem isso todos os dias na carteira, na falta de emprego e na desertificação do concelho”. Lamenta, entretanto, que “este resultado coloque a nu, mais uma vez, a falência da gestão socialista no Município”, no que considera ser “mau para Figueiró dos Vinhos, é mau para os figueiroenses e vem dar razão àquilo que temos vindo a dizer ao longo dos últimos anos: muita propaganda, muita festa, muita cosmética, muita desculpa, muita ilusão, mas maus resultados”.

PSD acusa Câmara de reduzir verbas às freguesias

Num outro documento, a Concelhia de Figueiró dos Vinhos do PSD acusa a Câmara Municipal, presidida pelo socialista Jorge Abreu, de reduzir as verbas às freguesias, em 2020.
Considerando que as freguesias, “dada a sua proximidade com os cidadãos, desempenham um papel essencial na prossecução dos interesses próprios das respectivas populações”, os social-democratas esperavam que “terminado o Plano de Saneamento Financeiro, com a última ‘tranche’ a ser liquidada em Janeiro próximo, e com o anúncio da liquidação total da dívida à banca no final de 2019, as freguesias fossem, em 2020, efectivamente apoiadas, mas não”.
“As transferências de capital, previstas para as freguesias no Orçamento e plasmadas no resumo orçamental das GOP [nr: Grandes Opções do Plano] 2020, diminuem 7,94%, face ao orçamentado em 2019”, revela a Concelhia do PSD, sublinhando que as Juntas de Freguesia, “que têm sido relegadas para um segundo plano e limitadas quase ao papel de pedintes vêem, agora, as verbas ser reduzidas, a juntar ao atraso com que a Câmara faz as transferências”.
Lembra, a propósito, que o presidente da União de Freguesias, Jorge Quaresma, informou, numa sessão da Assembleia de Freguesia (realizada em 20 de Setembro último), que “a Câmara apenas transferiu (para a União de Freguesias) a importância relativa a um mês”.  
“Para além desta redução não há, no Orçamento, nem nas GOP para 2020, qualquer investimento significativo para as freguesias que faça a diferença, que ajude a reduzir as assimetrias existentes e que promova a efectiva integração com todo o concelho e com a região de que fazemos parte”, adiantam os social-democratas.
A concluir, salientam que,panerai replica watches nos últimos anos, “foram gastos muitos milhares de euros na vila, enquanto nas freguesias as aldeias se vão arrastando, penosamente, à espera de investimentos municipais”.

97FM - Pombal Vértice Luminoso