Leiria – Estudo envolve o Instituto Politécnico

Grupo de investigação quer pesca reduzida a zero já em Janeiro do próximo ano


Pombal 97 fm / Sociedade – Um estudo desenvolvido por uma equipa de investigadores portugueses permite concluir que, caso não sejam proibidas as capturas de tubarão anequim no Atlântico, a espécie poderá desaparecer dos nossos mares.
“Portugal, a par de Marrocos e da Espanha, é dos maiores pescadores de tubarão anequim, que é, das espécies analisadas, a que sofreu uma diminuição mais drástica em lota, em Portugal. Caso a pesca desta espécie não seja reduzida a zero já no próximo ano, não recuperará”, indicam os especialistas.
O referido estudo, que envolve o Instituto Politécnico de Leiria (IPL), a Universidade de Lisboa (UL) e a Associação Portuguesa para o Estudo e Conservação de Elasmobrânquios (APECE), recolheu e analisou os dados da última década de descargas de tubarões e raias em Portugal, tendo sido já apresentado na conferência da European Elasmobranch Association, em Amesterdão.
“A investigação vem suportar e confirmar os receios da comunidade científica internacional, que há anos alerta os governos para os perigos da sobrepesca de tubarões e raias no Atlântico, ilustrando um preocupante declínio das populações de tubarões e uma clara necessidade de melhores medidas de gestão da pesca”, sublinham os investigadores.
“Os valores de pesca de tubarão têm sido os mais baixos alguma vez registados e, sendo Portugal um dos países que mais pesca tubarões, não podemos passar ao lado dos dados que, reiteradamente, a comunidade científica internacional tem vindo a apresentar”, refere Luís Alves, investigador no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente do IPL.
O também presidente da APECE explica que “a realidade é que a pesca de tubarões e raias tem sido alvo de medidas de gestão e conservação insuficientes”, salientando que estes animais, “de vida longa e maturações tardias, são particularmente susceptíveis a esforços de pesca intensos”.
Com estes dados, Luis Alves refere que os investigadores querem “alertar para os perigos da ausência de regulação da pesca no Atlântico, e para os potenciais impactos nestes animais, que são vitais para a regulação da saúde e diversidade dos oceanos”.
Afinal, o que se pretende, segundo Luis Alves, é “a proibição total e imediata de capturas de anequins no Atlântico Norte”.
“O tubarão anequim é uma das espécies mais procuradas em Portugal, pela sua carne, atingindo em lota valores semelhantes aos do espadarte”, lê-se numa nota do IPL, indicando que, à semelhança de outras nações que pescam esta espécie, Portugal continua sem impor quaisquer quotas ou tamanhos mínimos de captura.



(Texto escrito com a antiga grafia)

 

97FM - Pombal Vértice Luminoso