Coimbra – Entrevista em destaque na revista „Enfermagem e o Cidadão“

Enfermeiro português da Universidade de Duke investiga comunicação artificial cérebro-a-cérebro

 

Pombal 97 fm / Saúde – Miguel Pais Vieira, neurocientista português na Universidade de Duke (EUA), afirma estar a proceder a investigações „sobre uma comunicação artificial cérebro-a-cérebro“.

Pais Vieira dá conta desta sua investigação numa entrevista à última edição da revista „Enfermagem e o Cidadão“,  acabada de ser distribuída (gratuitamente) aos cidadãos na Região Centro do País.
 
Na referida edição desta publicação periódica, propriedade da Secção Regional do Centro (SRC) da Ordem dos Enfermeiros (OE), é revelado o trabalho e expectativas do jovem investigador, „integrado numa equipa que já testou, com sucesso, uma forma de comunicação que não existe na natureza, e que dá esperanças de, no futuro, se conseguir a reparação electrónica de tecidos cerebrais, que tetraplégicos voltem a andar, recuperar da cegueira, ou dos danos de AVC“. 
 
O neurocientista conta que a investigação que faz na Universidade de Duke „continua marcada pela vivência clínica da enfermagem“, cujo curso concluiu em 2003, no Porto. „O trabalho que eu realizo neste momento tem muito de ciência básica. No entanto, em todos os trabalhos que são realizados tento avaliar qual seria a viabilidade de manipular os mecanismos descritos, de forma a desenvolver uma nova terapia ou aplicação“, revela.  
 
O enfermeiro explica, depois, que „uma boa compreensão do funcionamento de um sistema é definitivamente um avanço importante para que se possa começar a pensar em abordagens clínicas. Assim, tento sempre não me esquecer de que a ciência básica pode contribuir, de forma significativa, para as grandes questões com que os profissionais de saúde se deparam“. 
 
Miguel Pais Vieira integra o grupo de investigação do brasileiro Miguel Nicolelis que, na abertura do último Campeonato do Mundo de Futebol, apresentou um „exosqueleto, controlado por actividade neuronal que permitiu ao paraplégico Juliano Pinto andar, pontapear uma bola de futebol e sentir o tronco ao tocar no chão“. 
 
A edição número 44 da „Enfermagem e o Cidadão“ publica, ainda, uma entrevista a Hélder Lourenço, um dos três enfermeiros habilitados em sexologia clínica em Portugal, que desenvolve a actividade no Centro Hospitalar Tondela-Viseu, além de presidir ao Conselho de Enfermagem Regional do Centro da OE. 

(Texto escrito com a antiga grafia)